volta - Alô Escola

Hipérbato   
 
 

Inversão da ordem das palavras

Será que você conhece esta frase: "Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heróico o brado retumbante"? É claro que sim. Trata-se do começo do Hino Nacional Brasileiro. São treze palavras dispostas em ordem que não é a ordem natural em língua portuguesa. Temos aqui a figura do hipérbato. Na ordem direta, a frase ficaria assim:

As margens plcidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo herico.

Esse "as" de "as margens plácidas" não recebe acento indicador de crase. Está na letra oficial do Hino Nacional.
Veja um caso mais simples de hipérbato no texto abaixo:

(Música "Toada", do grupo Boca Livre)

Vem, morena
ouvir comigo essa cantiga
sair por essa vida aventureira
tanta toada eu trago na viola
pra ver você mais feliz.

A letra diz "...tanta toada eu trago na viola...". Quem traz traz alguma coisa. No caso, "tanta toada", que é o complemento do verbo. A expressão "tanta toada" aparece, no entanto, no início. Mais natural seria se ela viesse depois de "trago":

Eu trago tanta toada na viola...

Em geral, faz-se essa inversão ou para colocar em evidência o termo que se desloca, ou para que o poeta tenha algum recurso a mais para rimar. A isso se dá o nome de hipérbato, que é a "inversão da ordem natural das palavras".